VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

E.E. ANTONIO FONTANA

CONGRATULAÇÕES...


 A Equipe da E.E. Antonio Fontana parabeniza a aluna Viviane Izaias da Silva do 7º Ano A pela produção, GÊNERO MEMÓRIAS, TÍTULO: DOCES LEMBRANÇAS, QUE FOI ESCOLHIDA EM ÂMBITO MUNICIPAL PARA NOS REPRESENTAR NA PRÓXIMA FASE DA OLIMPÍADA DE LÍNGUA PORTUGUESA - ESCREVENDO O FUTURO. NOSSOS PARABÉNS TAMBÉM SE ESTENDEM AO TRABALHO REALIZADO PELA PROFESSORA MARLENE GUIOTTI E AOS PROFESSORES QUE COLABORAM COM A APRENDIZAGEM DE NOSSOS ALUNOS. 


PROFESSORA MARLENE E A ALUNA VIVIANE

CONFIRA O TEXTO NA INTEGRA...

PROFESSORA RESPONSÁVEL: MARLENE M. GUIOTTI
MEMÓRIAS: DOCES LEMBRANÇAS – VIVIANE IZAIAS DA SILVA
Passei minha infância e parte da minha adolescência na roça, eu e minha família morávamos em um sítio, na Água do Mosquito, era muito gostoso, pois os sítios eram todos pequenos e ficavam próximos, por isso tinha muita gente, o lugar era parecido com uma vila movimentada.
            Papai sempre foi um homem da música, da festa, da dança e junto com os homens do bairro, em muitos carnavais vestiam-se com roupas de suas esposas e com alguma maquiagem, a base de batom. Saiam fantasiados cantando marchinhas, cheios de contagiante alegria, apesar do trabalho árduo do dia-a-dia.
            Minha infância foi repleta de brincadeiras e muitas estrepolias, junto de minhas irmãs inventávamos brincadeiras que deixavam mamãe aflita. Nadávamos em açude, subíamos nas árvores que tinham no quintal de casa ou nas matas para pegarmos frutas no pé, frutas que aliás hoje, são caríssimas no mercado, no sítio tínhamos em abundância, como: lima da pérsia, figo da índia, abacates, mexericas e tangerinas amarelinhas.
 Mas a brincadeira que nos divertia muito era casinha, em que eu e as minhas irmãs roubávamos ovos das galinhas que nossa mãe criávamos e fazíamos de "comidinha", oferecendo às visitas que "iam em casa". Pegávamos  os ovos e jogávamos a clara fora e a gema era misturada com o açúcar que também pegávamos escondido de mamãe e servíamos junto com suculentos juás vermelhos e deliciosas marias pretas e doces de milho de grilo.
            Perto de casa, a "venda do tio Francisco" fazia a alegria dos moradores, do bairro que, além de comprarem o que precisavam para o dia-a-dia, também servia de ponto de encontro, já que na capelinha do sítio, tinha rezas para a Santa Cruz, festas juninas e aos domingos jogos de futebol no campo em frente a venda.
            Quando havia torneios de futebol, as pessoas reuniam-se em volta do campo, as sombras das árvores eram disputadas, pois era o evento esperado, já que, Maracaí, a cidade mais próxima, ficava distante uns 8 Km, o que para mim era muito longe.
 Minha família morava distante, a uns duzentos metros da venda e a cem metros da porteira que dividia os sítios e todos eram cortados por uma estradinha que saia da Rodovia Raposo Tavares, passava pela venda e seguia em frente.
            A nossa maior alegria na época era um caminhãozinho verde,na verdade um furgãozinho escrito "AIRILAN", que vinha trazer doces na venda. Ele cruzava todos os sítios antes de chegar lá.
            Por um acaso um dia, eu e as minhas irmãs abrimos a porteira para o furgãozinho passar e ganhamos um punhado de balas. E desde então, o ajudante do motorista nunca mais  desceu para abrir porteiras.
 Com sol ou chuva, a gente ficava esperando toda vez o furgãozinho passar, pois sabíamos mais ou menos o dia em que ele viria. A gente adorava quando ele vinha à tarde porque, aí cada uma das minhas irmãs ficava em uma porteira para receber as balas, suspiros e maria-mole. Não gostávamos muito quando ele vinha cedo, porque estávamos na escola, que ficava ao lado da venda e a turma toda saia correndo para ganhar balas, que eram atiradas pela janela do furgãozinho em movimento.
 Lembro-me que certa vez, numa das tardes em que recebemos as balas nas mãos, oferecemos aos moços um punhado de pimentas malaguetas e recebemos em troca o dobro de doces. Pela primeira vez, comemos pão de mel, que na época chamávamos de bolachões. Daquele dia em diante quando era época de pimenta a gente "presenteava-os" com generosos punhados e eles retribuíam com muitas balas e doces. Isso durou um determinado tempo adoçando nossa infância, depois eles pararam de vir.
 Recentemente descobri que a "AIRILAN" foi vendida para outra empresa da Região. Mas enfim, a "AIRILAN" fez a minha infância e a do bairro ficar mais doce.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012



E.E. ANTONIO FONTANA

Merece destaque...

Um menino que não é um mero expectador da 

sociedade, mas um exemplo, um protagonista!

Menino de 8 anos doa prêmio de US$ 1 mil para vizinha de 2 anos com leucemia



menino_doa_premio
Os adultos têm mesmo muito que aprender com as crianças. Veja o exemplo desse garoto:
Wyatt Erber, um menino norte americano de 8 anos, ganhou mil dólares, cerca de 2 mil reais, em uma brincadeira de caça ao tesouro promovida pelo First Clover Leaf Bank. 
Mas ele preferiu não ficar com o prêmio. Decidiu doar para a família de Cara Kielty, sua vizinha de 2 anos, que luta contra a leucemia.


"Ele realmente está ciente do que é câncer. Quando descobriu que Cara tem câncer, o coração dele adoeceu", contou Noelle Erber, mãe de Wyatt, à ABC News. 
A porta-voz do banco, Rachel Case, confirmou a doação: 
"Não conheço outra criança de 8 anos que faria isso". 

menino_doa_premio_2
A mãe de Cara, Trisha Kielty, revelou ao "Post-Dispatch" detalhes de um telefonema recebido de Wyatt: 
"Ele me perguntou quantas sessões de quimioterapia mil dólares comprariam. Eu fiquei sem saber o que dizer."
E a boa ação do menino atraiu outra boa ação.
Incentivado por Wyatt Erber, o grupo Edwardsville Neighbors in Need, da cidade onde Wyatt Erber mora, em Illinois nos EUA, fez o mesmo.
Também doou mil dólares para a família de Cara.
A menina já começou o tratamento e está respondendo bem a ele.
FONTE:   ABC News.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

E.E. ANTONIO FONTANA

ANOS INICIAIS:

A alegria de aprender a aprender todos os dias...




E.E. ANTONIO FONTANA

DIA DO SARESP NA ESCOLA

No último dia 14 de setembro realizamos coletivamente e com a presença de nossa Supervisora Rose o dia do SARESP na Escola. A partir desse trabalho de análise e organização do dia do SARESP pudemos estudar e planejar de ações sobre algumas questões que constaram das provas de Língua Portuguesa, Matemática, Geografia e História que obtiveram índices de acerto abaixo de 50%, de acordo com os resultados publicados no Relatório Saresp – 2011 para a melhoria da qualidade dos processos de ensino e aprendizagem. Consideramos ainda que os itens da prova do SARESP são organizados para medir competências básicas e essenciais para o processo formativo dos alunos e desenvolver capacidades que os tornem mais aptos ao exercício da cidadania.

CONFIRA...



































E.E. ANTONIO FONTANA

REUNIÃO DE PAIS 

Dias 10 e 13 de setembro realizamos mais uma Reunião de Pais com foco na devolutiva das aprendizagens mobilizadas através de diversas produções protagonizadas pelos alunos no 2º Bimestre. Os alunos orientados pelos professores puderam expor produções escritas em variados gêneros, obras pictóricas, teatro "O caso do espelho" de Machado de Assis e apresentação da Ginástica Rítmica. Mais uma vez propiciamos aos pais uma devolutiva compromissada com uma significante aprendizagem aos seus filhos...

Confira...